Páginas

18 de novembro de 2017

Brasileira entre os dez vencedores do prêmio SDG Pioneers 2017 - Pacto Global ONU

Assim como em 2016 uma brasileira ganha o prêmio SDG Pioneers, iniciativa do Pacto Global da ONU.



Foto: Divulgação/Schneider Electric

A brasileira Tânia Cosentino, Presidente da Schneider Electric para a América do Sul recebeu da Organizaçao das Nações Unidas reconhecimento por sua liderança pelo desenvolvimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável - ODS (The Sustainable Development Goals - SDGs). Ela foi uma das três mulheres contempladas, sendo a única latino-americana dentre os 10 vencedores.

É o segundo ano consecutivo que o Brasil, na liderança feminina figura na lista final. Em 2016 foi laureada Sonia Consiglio Favaretto, Diretora de Imprensa e Sustentabilidade da BM&FBOVESPA, juntamente a Ulisses Sabará. Presidente da Beraca. Sônia foi reconhecida por seus esforços relacionados ao ODS 8 sobre Trabalho Decente e Crescimento Econômico.

O reconhecimento ocorrerá em dia 21 de setembro durante o UN Global Compact Leaders Summit 2017. O encontro reune por dois dias o setor privado, ONU, governos e sociedade civil para iniciar ações para alcançar os ODS até 2030. Juntos, mais de 800 líderes ao redor do mundo bscam em Nova Iorque meios para identificar como desencadear as atividades comerciais, o pensamento e a inovação necessários para uma nova era de sustentabilidade.

“É uma honra estar entre os dez pioneiros nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável do Pacto Global da ONU. Tanto eu como a Schneider Electric somos conscientes da urgência em implementar os objetivos do Pacto Global. Acredito que o setor privado tem um papel importante na construção de um mundo melhor e mais sustentável para todos, por isso, na Schneider, endereçamos nos nossos negócios, a maioria dos ODS”, afirma Tânia.

Sobre o prêmio

A cada ano, o Pacto Global da ONU celebra um grupo de SDG Pioneers – líderes de negócios que estejam realizando um trabalho excepcional ao agir pelo avanço dos Objetivos Globais. Indivíduos de todo o mundo que estão defendendo a sustentabilidade em suas companhias e mobilizando toda a comunidade de negócios para agir na busca pelos 17 ODSs.

São recebidas centenas de nomeações de diversas regiões do mundo, das quais dez finalistas são selecionados, exemplificando como os negócios podem ser a força positiva no endereçamento dos desafios que enfrentamos como uma sociedade global. Um comitê de seleção formado por especialistas da ONU, da academia, da sociedade civil e do setor privado ranqueou os indicados com base em um conjunto de critérios, chegando à lista final.

Sobre Tânia Cosentino e Schneider Electric

Tânia Cosentino é presidente da Schneider Electric para América do Sul. Uma de suas prioridades é o desenvolvimento de soluções sustentáveis para clientes industriais, prediais, residenciais e infraestruturas, por meio da aplicação de tecnologias inovadoras, ao mesmo tempo que integra os ODS no core da estratégia de negócios da empresa na região. A sua dedicação à sustentabilidade inclui o trabalho em eficiência de energia, acesso à energia, água, desenvolvimento industrial, cidades inteligentes, ética, diversidade e também em promover o empoderamento feminino.

Sobre igualdade de gêneros, Tânia lidera na Schneider Electric na América do Sul o programa HeForShe e assinou o compromisso com os WEPs, programa do Pacto Global e da ONU Mulheres, bem como é uma embaixadora dos ODS do Pacto Global. Ela é também membro do Conselho Consultivo de Mulheres da Schneider Electric, que trabalha o tema da equidade de gênero em toda a empresa, e foi reconhecida como uma das mulheres mais influentes no setor de infraestrutura pela Revista Fortune.

A empresa, sob o comando de Tânia, tem trabalhado para ajudar na criação de uma economia com foco em baixas emissões de carbono. A tecnologia e as soluções desenvolvidas pela empresa permitem que seus clientes reduzam custos com maior eficiência na gestão de seus recursos, lançando menos CO2 no ambiente e, consequentemente, gerando uma diminuição no pagamento de taxas.

A empresa atua por meio das operações da América do Sul em 12 dos 17 ODS: erradicação da pobreza (ODS 1); educação de qualidade (ODS 4); igualdade de gênero (ODS 5); água potável e saneamento (ODS 6); energia limpa e acessível (ODS 7); trabalho decente e crescimento econômico (ODS 8); indústria, inovação e infraestrutura (ODS 9); redução das desigualdades (ODS 10); cidades e comunidades sustentáveis (ODS 11); ação contra a mudança global do clima (ODS 13); paz, justiça e instituições eficazes (ODS 16) e parcerias e meios de implementação (ODS 17).

Fonte: Portal do Pacto Global - Rede Brasil e ONU Brasil
Edição Final: Marcelo dos Santos Ferreira

--